terça-feira, 31 de maio de 2011

FIJI ISLANDS




Matanitu Tu-Vaka-i-koya ko Viti
फ़िजी द्वीप समूह गणराज्य
Republic of the Fiji Islands

República das Ilhas Fiji

Bandeira de Fiji
Brasão de Fiji
BandeiraBrasão das Armas
Lema: Rerevaka na Kalou ka Doka na Tui
("Tema Deus e Honre a Rainha")Hino nacionalGod Bless FidjiGentílicofijianofidjiano

Localização da Fiji

CapitalSuva
17°11'S 178°55′OCidade mais populosaSuvaLíngua oficialInglêsIndostânico eFijianoGovernoRepública sob regime militar - PresidenteEpeli Nailatikau - Primeiro-ministroFrank BainimaramaIndependênciaDo Reino Unido  - Proclamada10 de outubro de 1970  - Reconhecida10 de outubro de 1970 Área  - Total18.274 km² População  - Estimativa de 2007905.354 hab. (153.º) - Densidade148 hab./km² PIB (base PPC)Estimativa de 2005 - TotalUS$ 5,447 bilhõesUSD (149.º) - Per capitaUS$ 6.375 USD (93.º)Indicadores sociais - IDH (2007)0,741[1] (108.º) – médio - Esper. de vida68,8 anos (119.º) - Mort. infantil19,5/mil nasc. (94.º) - Alfabetização94,4% (74.º)MoedaDólar Fijiano (FJD)Fuso horário(UTC+12)Climatropical marinhoOrg. internacionaisONUCód. Internet.fjCód. telef.+679Website governamentalwww.fiji.gov.fj
Mapa da Fiji




As ilhas Fiji situam-se no coração do Pacífico Sul, a meio caminho entre a Melanésia (Ilhas Salomão, Vanuatu, Nova Caledónia e Papua Nova Guiné) e a Polinésia (Tonga, Samoa, Ilhas Cook e Polinésia Francesa). Vanua Levu e Viti Levu, de origem vulcânica, são as maiores, acolhendo esta última a cidade capital – Suva, o maior pólo turístico do país e uma das cidades mais sofisticadas do Pacífico Sul.



As ilhas Fiji são protegidas do turismo de massa por um único detalhe, tão pequeno como fundamental: na cultura dos 700 mil fijianos, a terra é sagrada e não pode ser vendida para estrangeiros. Embora 380 mil turistas visitem Fiji todos os anos, nunca se verá resorts gigantes e pasteurizados. Predominam os hotéis pequenos e charmosos, com poucos quartos geralmente os chalés locais, chamados de burês.



Em Suva, além da prática de desportos náuticos, poderá visitar o Museu de Fiji e observar interessantes edifícios coloniais, mesquitas, templos hindus, igrejas e centros culturais. A Catedral Católica Romana (1902) é um dos marcos da cidade, mas uma incursão pelo Mercado Municipal não será menos fascinante, dada a variedade de frutas e vegetais exóticos, peixes, frutos do mar e condimentos que reúne.



Já Vanua Levu é bastante menos desenvolvida, pelo que constitui um dos melhores locais para compreender o tradicional estilo de vida fijiano, que acabará, de qualquer modo, por o conduzir até uma das suas fabulosas praias com pontos excelentes para as práticas de snorkelling, mergulho e kayaking. No interior selvagem e acidentado, a caminho das escavações arqueológicas de Nabouwalu e Wasavula, o trekking é outra opção.



Além de Vita Levu e Vanua Levu, as ilhas de Taveuni e Kadavu também têm uma dimensão considerável, mas o restante país é feito de pequenos subarquipélagos de origem coralígena: Lomaiviti, Lau, Moala, Yasawa, Mamanutha e Rotuma. Relativamente intocados, preservam recifes, lagunas, portos, assim como a vegetação nativa desde tempos imemoriais, entre centenas de atóis e pequenas ilhas desabitadas – retalhos de paraísos flutuantes pintados a azul-turquesa e verde luxuriante.



O primeiro explorador europeu a conhecer as Fiji, em 1643, ficou fascinado com as riquezas dos seus recifes. A forma como descreveu os perigos da navegação por essas águas afastou, no entanto, os marinheiros ocidentais por mais 130 anos. Até que o capitão Cook tomou conhecimento destas “ilhas habitadas por guerreiros ferozes e canibais” (é mesmo verdade, os antepassados daqueles que nos recebem sempre sorridentes tinham por hábito alimentar-se dos inimigos, de marinheiros perdidos e, até, de quem os queria convencer que Deus era só um), (re)descobriu o arquipélago em 1774 e integrou-o no circuito comercial britânico.



Curiosamente, além do sândalo, a preciosidade mais procurada nestas ilhas, trocada por uma série de produtos de luxo, era o pepino-do-mar (uma lesma marinha), muito apreciado pelos gourmets abonados daquela época.

Em finais do século XIX, graves conflitos interinsulares levaram a Grã-Bretanha a intervir, a depor o rei Cakobau e a integrar as ilhas no seu vasto império. Entre 1874 e 1970, as Fiji estiveram sob o domínio da coroa britânica. Em 1987 foram proclamadas República, mas só em 1992 é que o poder, anteriormente nas mãos dos militares, passou para os civis e a situação política normalizou.



Daqui:
http://www.destinosdeviagem.com/ilhas-fiji/



2 comentários:

Lilá(s) disse...

Finalmente Soninha hoje voltei a encontrar os blogues! provavélmente estavam viajando!...mas que bom vim a tempo desta viagem, gostei e soube-me muito bem, depois de um dia de trabalho cansativo.
Beijinhos

Anne Lieri disse...

Nossa,que paraiso!Um lugar tão lindo assim só poderia mesmo ser uma terra sagrada!Lindo passeio!Bjs,

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Clique e...

Conheça o agregador dos meus links:

Conheça o agregador dos meus links:
Clique na imagem acima.