terça-feira, 23 de abril de 2013

Porto Alegre - Veneza

  Entre outras vantagens, o voo direto Porto Alegre-Lisboa trouxe mais esta gentileza aos gaúchos: permite conexão a Veneza sem barulho, nem Guarulhos. Também é possível um amável interlúdio lisboeta, de uma noite por conta da Tap, antes de desembarcar na cidade encantada.
 Chegar a Veneza de trem ou de automóvel é como entrar num palácio pela escada de serviço, escreveu Thomas Mann com toda a razão. Numa espécie de contradição poética, a única forma de entrar na cidade como nos velhos tempos, sem ser “pela escada de serviço” dessa vívida imagem de Mann, é chegando de avião. Isso porque, a partir do aeroporto de Mestre, há ligação regular de vaporetti e motoscafos, que funcionam como ônibus e táxis por mar, permitindo aos visitantes recuperar as emoções de Byron, Proust, Hemingway, do próprio Mann, de Casanova, Maquiavel e tantos outros que se comoveram na chegada, com a imagem da cidade se materializando aos poucos, em meio à bruma, como se estivesse emergindo das águas...


 A cidade dos caminhantes, explore Veneza da melhor maneira: a pé.
 Foto: creative commons / Rui Ornelas

 Não havia outra forma de desembarcar na cidade, até 1846, quando foi construída a ponte ferroviária sobre a laguna. Essa ligação seria duplicada com o viaduto rodoviário que permitiu aos automóveis chegarem perto. Entretanto, como nas casas orientais em que os visitantes tiram os sapatos na porta, na chegada por terra a Veneza, antes de entrar, os motoristas tem que deixar seus carros do lado de fora, em imensos e caríssimos estacionamentos de Piazzale Roma. Nas estreitas ruas da cidade – às vezes estreitíssimas, não permitindo duas pessoas lado a lado – todos sabem que é inevitável andar a pé.
 Nada mal para quem vai se atirar de cabeça na extraordinária gastronomia local à base de peixes e frutos do mar fresquíssimos, exibidos como verdadeiros troféus no mercado do Rialto: por certo fatalmente cruzará aquela linha amarela da gula. Mas a Serenissima, ao mesmo tempo que impõe quilos a mais, em dezenas de restaurantes de primeira ordem e de preços variados, oferece as caminhadas infinitas e emagrecedoras.
 Além dos comilões muitas outras tribos vão se regalar. Os consumistas não encontrarão em nenhum outro lugar do mundo um comércio tão eclético e variado, com ofertas e preços tão diversificados. Quem gosta de arte vai precisar de tempo para ver as igrejas, palácios, exposições e galerias. Em geral, a melhor dica é a flanerie: gostar de andar a pé, flanar. Veneza foi fundada, segundo os arquivos históricos, exatamente ao meio dia de 25 de março do ano de 421 – lá se vão 1592 anos. Desde então, como se sabe, não mudou muito. 
 E nesses quase 16 séculos, cultiva a mesma vocação: é a cidade dos caminhantes.

Daqui.



3 comentários:

✿ chica disse...

Adorei a viagem. Veneza é linda, estive lá e adorei, gostaria de voltar! beijos,chica

Tunin disse...

Como é bom viajar virtualmente contigo, Sônia! Parece que estamos em plena cena viva do local.
Abração.

Anne Lieri disse...

Deve ser uma viagem ao passado!Linda Veneza!bjs,

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Clique e...

Conheça o agregador dos meus links:

Conheça o agregador dos meus links:
Clique na imagem acima.